3 de maio de 2013

Eu nordestina

Parafraseando Ariano Suassuna: "Eu não troco meu oxente pelo ok de ninguém". Não escondo ou maquio meu sotaque, minha cultura, minhas crendices e nordestinices. Tenho orgulho de ser nordestina da gota serena, com farinha, pimenta e uma pitadinha de dança flamenca. Para quem não sabe, sou descendente de espanhóis  Mas troco fácil o azeite de oliva pelo de dendê e bacalhau por camarão seco.
Manias, crendices e superstições são merecedoras de tema de monografia, dia desses faço um post, quando estiver inspirada. Tem até um jargão que diz para coisinhas pitorescas e inusitadas aqui da terrinha que tal coisa "só se vê na Bahia". No vocabulário um apanhado de palavras que na linguagem oral é mais solto e na escrita tem que haver revisão para não passar nada que eu jure que todo mundo fala, mas é nordestês.
Ir com tudo, confiante, aqui se diz ir com fé. E quem tem fé vai a pé, uma alusão a caminhada anual até a Igreja do Sr. Bonfim no dia dele. Sair correndo na doida é sair desembestado ou estabanado. Para dar a volta agente arrodeia e arrancar alguma coisa na força é tirar na tora.
Zangados estamos retados, virados no cão, no mói de coentro e muitas outras variações. Para não azuar vocês, encher a cabeça em bom português, vou parar por aqui. Uma sexta apimentada e abençoada a todos!

19 comentários:

  1. Aprendo muito sobre a Bahia, pois tive um exímio professor; falo do mundialmente conhecido e que aprecio muito: Jorge Amado! abraços

    ResponderExcluir
  2. Adoro o Nordeste, suas belezas, sotaques, pessoas amáveis,alegres, seus temperos. Lindo fds bem apimentadinho!beijoschica

    ResponderExcluir
  3. Nada melhor que a nossa terrinha. Posso rodar o mundo todo e provar todas as culinárias, mas nada melhor que o meu "pãozin de queijo quentin". Saudades de Minas, uai, amiga! Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Amo estas terras da Bahia e sempre que aí estive fiquei encantada com a mistura de raças, com o sincretismo religioso, cheiros, sons,cores e vibrações positivas. É um lugar onde quero voltar sempre e se o meu Senhor do Bonfim, meu Pai Oxalá e todos os orixás permitirem ainda verei muitas vezes o por do sol da Bahia de todos os santos. Visitarei o velho mercado, vou tomar o sorvete da Ribeira, subir a Conceição. Em Amaralina vou buscar o meu coração que ali deixei enterrado. Quero ser feliz em Itapuã. Beijar o marido na Lagoa de Abaeté. Passear no Caminho das árvores. No Largo do Pelourinho comer o doce de banana roxa do restaurante do Senac. E, como não sou santa, vou cair de beiço nas compras no Salvador Shopping, o melhor deste país. Agora, fiquei na dúvida pois não sei de "cair de beiço" é baianês ou mineirês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cair de boca é baianês :)
      Adorei seu comentário-tour soteropolitano \o/

      Excluir
  5. Tina, de fato você tem razão. A criatividade em todos os sentidos impera no nordeste. Para nós que moramos no sul do estado de São Paulo, nada disso é novidade. A população nordestina é muito grande por aqui. Temos muitos estabelecimentos comerciais com produtos do nordeste e muitos restaurantes também. Os usuários não são só os nordestinos. Os paulistas se adaptaram bem a tudo isso e já participam ativamente desses costumes.
    Um final de semana apimentado para vocês também.
    Manoel

    ResponderExcluir
  6. Nasci em São Paulo mas moro em Pernambuco há 19 anos e tenho mt orgulho das minhas raízes...falo arrastado sim, uso meu vocabulário nordestinês e sou mt feliz com tudo isso!
    Viva o nosso lindo Nordeste!

    Bjooos

    muitospedacinhosdemim.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Para mim , o melhor da Bahia é uma guria linda com olhos de boneca e voz macia que só... acrescida de preguiça pós almoço então, é tudo!!
    Beijos, upas, axés e pimenta!!!
    ;))

    ResponderExcluir
  8. Deixa eu te fala... Eu falo o Goianês e chega dói, mais dói mesmo, quando encontro com quem fica nesse tal de ata e desata montado no gavião por conta de mostrar suas origens achando que é gente importante enquanto na verdade é galã de bandeja! Não gosto de lereia !
    É por conta desses causos que assuntei por aqui, que me fez aprochegar e puxar intimidade com você. Gosto de mais daqui e bão de mais! Continuei essa baianinha maravilhosa que vc é! Falando seu oxente!

    Você é melhor que pequi com arroz!
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Tina sua linda! Tem mais é que ter orgulho mesmo.
    Adorei conhecer as "nordestices"...!

    Beijos e um final de semana apimentado e abençoado para vc tb ;)

    ResponderExcluir
  10. Tina primeiramente, SAUDADES <3
    Faz muito bem em não esconder seu sotaque, suas raizes, eu tbm não escondo e gosto de ser nordestina! Ainda não conheço a Bahia, mas assim que sugir uma oportunidade, quero conhecer de perto o seu estado. Cheiro!

    ResponderExcluir
  11. Passando para te deixar um beijo...e desejar um ótimo fds!
    beijão amiga-passarinha-flor! :)

    ResponderExcluir
  12. Um excelente final de semana!
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Eita que eu amo essa menina arretada! E amo também essa terra maravilhosa que é o Nordeste, é muito bom morar aqui. :)
    Um xero e um abraço bem arrochado nessa moça bonita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oxe, ia esquecendo de falar: Eu amo pimenta!! ^^

      Excluir
  14. Que legal,
    Aqui falamos Vina para salsicha e penal para o estojo escolar!
    Beijos e bom final de semana Tina!

    ResponderExcluir
  15. Que chato, escrevi e não apareceu rs

    Tina, eu também não nego minhas origens. sou amapaense de nascimento e paraense de coração.
    Aqui também, falamos correr na doida ou sair na doida.

    E falando aí da Bahia, Gilberto Gil bem disse: andar com fé, eu vou!

    Gostei do post e adoro teu nordetês!

    bjs

    ResponderExcluir
  16. Tina, você me fez lembrar de uma inesquecível professora de Inglês que tive no primeiro ano de faculdade. Nordestina de Recife, se me recordo bem, casada com um norte-americano, fluente no Inglês, seu instrumento de trabalho, mas quem disse que ela mudava seu sotaque? Ela ensinou que sotaque é característica pessoal, é como cidade natal: você pode adotar muitas outras, mas nasceu naquele local e isso nunca vai mudar. Para ela, você pode falar qualquer língua do mundo sem a necessidade de alterar seu sotaque! E eu confesso que amava aquele "I don't bélieve" com acento oral no primeiro E do believe. Isso sim é conhecer muito, mas valorizar acima de tudo sua terra e seu lugar.

    Parabéns por sempre muito nordestina, também sou assim, mas no outro extremo: muito gaúcha, e aposto que meus textos estão cheios de regionalismos! A gente nem percebe, simplesmente flui... Não acho isso ruim, desde que não seja algo forçado ou carregado inteiramente da "língua" que falamos. Portanto, fique à vontade para, de vez em quando, soltar seu nordestês, eu vou amar! E se eu não entender, escrevo pedindo a tradução rsrsrs

    Adorei! Beijos.

    ResponderExcluir