9 de agosto de 2013

Flechas no arco e no alvo

Eu disse ontem que gosto da história do Rei Arthur, dos Cavaleiros da Távola redonda e de Robin Hood. Tinha outra postagem programada para hoje, mas dei a vez a essa, pela continuidade do assunto, inspirada pela amiga Regina que em seu comentário falou das famosas Festas da Renascença que acontecem em vários países e meu filho e eu somos loucos para ir.
Eu gosto de festas a fantasia, de grande até agora só me fantasiei de bruxa para festas de Halloween de meu filho. Seria legal se festas a fantasia entrassem na moda, idealizo me fantasiar de tantas coisas: de baiana para reeditar a infância e porque amo a fantasia, de pirata, de espanhola, portuguesa, Emília e muitas outras indumentárias.
Deviam também ser abertos centros de esportes e entretenimentos com modalidades mundiais nas grandes cidades, ao invés de tanto bar e boate, podia ter espaços assim, ainda que fosse para a elite, com esgrima, arco e flecha, campo com marcação e traves para aquele jogo americano como o do filme de Harry Potter.
De Robin, além das roupas de época, cavalos e valores morais e sociais, gosto especialmente do arco e flecha, um outro desejo que tenho, fazer aulas de arqueiria, acho fantástico. No kinect do xbox de meu filho (leia-se: aparelho que fazemos movimento diante da tv e o tal game lê os movimentos),  no jogo de dardos sou a melhor dessas bandas e no de trás da porta do quarto de meu irmão e um que tinha na casa de um amigo, onde testei minhas habilidades, também não fiz feio não, arremessos secos, certeiros e muita satisfação em acertar. 
Vou aproveitar o assunto flechas e dardos e mirar num alvo comum por aqui: leitura. Tem quem tenha preconceito e restrições a livros de auto-ajuda, mas como em outras categorias, acho que há muita coisa boa a ser peneirada e lida. Já li alguns livros e sinopses de livros de Augusto Curry por exemplo e gostei de alguns. O livro Armadilhas da mente é a flecha da vez. Ao procurar para ver do que se trata, não me interessei mas fui flechada por uma homenagem que há no livro e que passa pelo lindo livro O Menino do dedo verde, Chaplin, o ano de meu nascimento e mais um nome, uma pessoa e sua história que gostei de conhecer, segue:
"Geraldo Jordão Pereira (1938-2008) começou sua carreira aos 17 anos, quando foi trabalhar com seu pai, o célebre editor José Olympio, publicando obras marcantes como O menino do dedo verde, de Maurice Druon, e Minha vida, de Charles Chaplin.
Em 1976, fundou a Editora Salamandra com o propósito de formar uma nova geração de leitores e acabou criando um dos catálogos infantis mais premiados do Brasil. Em 1992, fugindo de sua linha editorial, lançou Muitas vidas, muitos mestres, de Brian Weiss, livro que deu origem à Editora Sextante.
Fã de histórias de suspense, Geraldo descobriu O Código Da Vinci antes mesmo de ele ser lançado nos Estados Unidos. A aposta em ficção, que não era o foco da Sextante, foi certeira: o título se transformou em um dos maiores fenômenos editoriais de todos os tempos.
Mas não foi só aos livros que se dedicou. Com seu desejo de ajudar o próximo, Geraldo desenvolveu diversos projetos sociais que se tornaram sua grande paixão.
Com a missão de publicar histórias empolgantes, tornar os livros cada vez mais acessíveis e despertar o amor pela leitura, a Editora Arqueiro é uma homenagem a esta figura extraordinária, capaz de enxergar mais além, mirar nas coisas verdadeiramente importantes e não perder o idealismo e a esperança diante dos desafios e contratempos da vida."
Flechas no arco e mira nos alvos. Idealismo, esperança e coragem em nossa sexta e em nossas vidas.

11 comentários:

  1. Entre arcos, flechas, fachada de barzinho com o interior para esgrima, editora Arqueiro que adorei o nome e a proposta e não conhecia, acho que uma fantasia que lhe cairia como uma luva é Valente, princesa arteira, arqueira, moleca. Só que você precisará encaraminhocular os cabelos!
    Beijo certeiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Preciso dizer que amei a comparação? E o filme.

      Tenho até uma imagem dela guardada aqui para uma postagem. Ó vc me cutucando...rsrs

      Abraço de laço \o/

      Excluir
  2. Eu acho que a Tina precisa de mil vidas para realizar todos os seus desejos, viver todas as aventuras, concretizar todos os seus sonhos. Sua vida é um turbilhão!!! E deixo para você alguns versos de Vinicius de Moraes:

    Venha se perder nesse turbilhão.
    Não se esqueça de fazer
    Tudo o que pedir esse seu coração.

    Tem muita gente que só vive pra pensar;
    Existe aquele que não pensa pra viver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei os versos e o carinho em meu café da manhã :)

      Lembrei de um trecho de uma música de Paulinho Moska que meu irmão colocava pra meu filho ouvir qd ele era pequeno e que uso as vezes para me descrever:
      "Sou um móbile solto no furacão
      Qualquer calmaria me dá solidão"

      Excluir
  3. Tina já te imaginei fantasiada, cheia de asas , voando, voando pra dar tempo pra tanta criatividade e imaginação. Continua assim e sempre mirando no foco certo! beijos,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vale vcs me emocionarem viu, não estava em meus planos...rsrs

      Fadinha entrou para lista de fantasias :)

      Excluir
  4. Também gosto de arcos e flechas. E festas a fantasia? Ou espaços de fantasia? Fantástico. Já imaginei uma biblioteca/mundo mágico que disponibilizasse fantasias aos leitores. Só poderiam adentrar o espaço fantasiados, pois ali ninguém seria quem era lá fora. Não haveria regras contra crimes, nem mesmo crimes. Um mundo mágico. Poderíamos escolher entre mesas com cadeiras para sentar e ler, ou até mesmo almofadas. Um tapete 'mágico', um espaço recreativo, uma sala de improvisações teatrais, onde os fantasiados poderiam interagir uns com os outros através das ideias interligadas, de histórias que viessem a mente.

    A história de Geraldo é inspiradora!

    Bom final de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da idéia!
      Podia ter vários lugares com cara de lugar bom para ler, tipo varanda, redes, esteiras, uma árvore de algum designer apassarinhado com tronco de escada e galhos fortes para se sentar.

      Vamos registrar e buscar investidores?

      Bom, inspirador e realizador fds :)

      Excluir
  5. Bom dia.

    Qta honra saber que mudou a postagem de hoje por causa do meu comentário. Quando fui à feira na semana passada eu tirei algumas fotos mas fotógrafa de araque que eu sou usei os comandos errados e as fotos não ficaram muito boas, mas em sua homenagem vou tentar fazer uma postagem falando da feira.
    Aliás se você e seu filho quiserem vir aqui nessa época vocês ficam em minha casa e vamos juntos a uma dessas festas.
    Mas pq você nunca se fantasiou no carnaval? Qdo eu morava com meus pais no interior de Minas eu me fantasiva em todos os carnavais, já fui baiana, odalisca, palhaça, gatinha. Era bom demais.
    Muito legal saber sobre Geraldo (nome de meu pai) J. Pereira. Há tantas pessoas que fazem de nossa vida um melhor lugar para viver e no entanto não sabemos nada sobre eles, mas graças a você sempre há a possibilidade de conhecê-las.
    Um grande abraço e um ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  6. Quantas ideias boas!
    Outra fantasia que cairia bem em vc... Princesa neytiri. Vai ficar linda toda azul!
    Beijos flor! Continue sempre desejando, sonhando, realizando e escrevendo!
    Amo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mulher
      Eu tava com uma saudade tamanho João e o pé de feijão de você \o/
      Eu avatar...Uiii!

      Excluir