23 de fevereiro de 2014

Cheiros, reinos, arcas e ligações

Cheiro de suco de laranja em garrafa térmica de levar para escola foi o cheiro que senti quando um moço lavou o sofá aqui de casa mês passado. Gosto desse cheiro e outros que sinto por vezes em situações inusitadas. 
Já contei por aqui que tenho intimidades com palavras e números, agora declaro minha relação, inventiva eu diria, com cheiros. Tem por exemplo uma camisa social de meu marido que quando passo a ferro sinto cheiro de chocolate, tipo sendo fabricado. Alguém ai já passou na porta de uma fábrica de chocolates ou visitou uma? Aqui em Salvador, na cidade baixa, tinha uma de uma marca chamada Chadler. Que cheiro bom no ar ao passar pela rua onde ela ficava!
Do nada, por vezes, sinto cheiro de flor, será olfato de passarinha que sou e não sou? Cheiros vindos de reinos espirituais quisá! Voltando para meu sofá, está hospedada debaixo dele, no forro, caída pela lateral uma tesourinha de unhas, que após pensar e executar artimanhas para resgatá-la, resolvi deixar ela lá, de bico fechado, ou aberto, vá saber. Esse fato sempre me lembra de um desenho animado da época da infância de meu filho que a temática era o mundo que há nos fundos de uma cama ou sofá, não lembro ao certo, onde devem haver reinos, uns muito, outros pouco povoados, de brinquedos, restos de comida, linhas, papeizinhos e coisas do arco da velha, o nome do desenho é o que mais gostava: O rei do mundo baixo.
Sobre a imagem da ilustração escolhi por ser um sofá pitoresco, com um quê de ligações, histórias, reinos, hábitos de velhas arcas.
Diz o povo e o Google que: Do arco da velha, se refere a coisas fantásticas, incríveis, eu uso e sempre usei e soube que se refere a coisas antigas, velhas. Descobri que uma das fontes da expressão, que originalmente seria "arca da velha" e não "arco" é a história bíblica de Noé, quando depois do dilúvio, Deus criou o arco-íris para demonstrar a sua aliança com o ser humano, e que não voltaria a enviar outro dilúvio dessa magnitude. Assim, "velha" representa a velha aliança que Deus formou com o homem e explicasse o porquê do arco-íris ser também conhecido como o arco da aliança.
Uma explicação alternativa para a origem da expressão é que antigamente senhoras de certa idade tinham o hábito de guardar coisas incríveis e espantosas nas suas arcas. Um domingo de coisas do arco da velha, modernidades, lembranças e semeaduras de futuras recordações. Até amanhã!

7 comentários:

  1. Por aqui tem uma fábrica de biscoitos e a primeira vez que passei pelos arrabaldes dela pude afirmar que o cheiro era quente, aconchegante!
    Na garrafa térmica eu não levava suco de laranja. Era laranjada. A diferença? Colocava-se água no suco espremido que era para ele encompridar mais.
    Coisas perdidas podem ir também para O Reino do Beleléu, deliciosa leitura infantil para as crianças que perdem suas coisinhas...
    Um bom domingo, que seja comprido, mas que chegue logo a hora do boa noite cinderela!
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também levava a tal laranjada, com água para render e açúcar para adoçar.
      E os pacotes de biscoito eram cortados ao meio com uma faca, para render para mim e para meu irmão.

      Excluir
  2. Dentro dos sofás podem aparecer de tuuuuuuuuuuuuuuuudo e aquelas pecinhas de montar que nunca foram achadas e até chororós renderam, podem estar lá! Por falar nisso, sempre que sinto o cheiro de grama cortada, lembro da associação que fiz em pequena: Eu tinha daquelas garrafinhas de coca-cola e perdi nos tufos verdes no pátio de minha tia. Sempre que vinha o jardineiro, minha esperança renascia...Nunca apareceu... Também tenho cheiros que me fazem viajar! bjs, lindo aqui e esse sofá,DEZ! chica

    ResponderExcluir
  3. Mandei forrar um sofá! Minha filha tinha perdido um anelzinho que ganhara da avó,minha mãe. Depois de muita procura e choradeira não encontramos o anel.No dia marcado o estofador trouxe o tal do sofá e veio junto o anel perdido da minha filhota, que tinha 6 anos e estava triste com a perda do anelzinho!
    Coisas de sofá e de gente honesta!
    Perfume de violeta lembro da minha mãe! Lindo sofá vermelho! Pedrinho está dodói e mandou beijinhos pra você!
    Beijos
    Amara

    ResponderExcluir
  4. Tina,quantas lembranças podem conter os perfumes! Um excelente texto! Bjs e boa semana pra vc!

    ResponderExcluir
  5. Tina, tive uma experiência muito interessante no dia de meu aniversário, mas não lembro exatamente o ano, mas foi entre 92/94. Naquela manhã acordei sentindo um cheiro intenso de lírio em meu quarto. E assim permaneceu durante algumas horas. Procurei saber, e tudo apontava a uma visita espiritual. Me senti imensamente abençoada e agradecida por tamanho presente.
    Beijo querida e boa semana,
    Denise - dojeitode.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Sem saber, ontem por aqui foi de revirar o baú da velha. Ganhei uma mini atelier no quarto de despejo e passei o dia a virar e revirar coisas. No fim do dia, um corpo moído mostrava o resultado do lerê lerê.

    ResponderExcluir