25 de julho de 2014

Ode ao adeus

Pintura de Joan Miró
"A vida é um sopro", bem definiu o poeta arquiteto Oscar Niemeyer. E num sopro se foi na sexta passada, o mestre letrado e simpático João Ubaldo Ribeiro. No dia seguinte para o infinito e além, além do infinito que em vida foi, se foi o mestre Rubem Alves. Fiquei vazia de palavras, assim como o mundo literário ficou e dei um tempo de uma sexta a outra. Entre esse suspiro, e homenagem escrita e agendada, anteontem, Ariano Suassuna, estrela da terra e lonas dos circos foi para o firmamento.
Sexta-feira dia de todos os santos aqui na Bahia, de toda roupa ser branca, todo canto, conta, toda renda, como diz a canção e reza a tradição. Branca é para mim a cor do luto, cor da paz, que emana luz e todas as cores. Durante a semana, relembrei, reli, pesquisei os ditos e escritos dos três. Do que escrevi e transcrevi nas tantas postagens aqui, com citações, reverência, essência e adorno de Rubem Alves, separei algumas publicações, para quem já leu reler, quem não leu, ler, comentar, compartilhar, é só clicar aquiaquiaquiaqui e aqui.
Dar adeus a pessoas queridas, as de perto e as de longe, mas de dentro, varia no que tange as reações, sentimentos, processamento, de acordo a quem seja, a como estejamos e a tantos outros fatores que estão diretamente ligados a como lidamos com a morte. Publiquei no dia da partida dele em meu instagram e recortei para trazer para cá, o que segue: "Os mágicos conhecem o segredo, só porque não vemos uma coisa não significa que não está lá" e assim é com os que se vão  Não creio que morrer é não ser mais visto. Creio que enquanto formos lembrados, seja nosso nome, causos, seja quando alguém vê uma flor, um pássaro, uma cor, um doce que gostamos, estaremos vivos.
O doutor, professor, filosofo recheado de poesia, com cheirinho de passarinho molhado pousado em uma carregada jabuticabeira, vizinha a um ipê amarelo dourado em flor, disse o que segue e que encerra essa ode ao adeus, essa homenagem, esse sopro que ele foi e deixou e nunca vai se apagar: "A celebração de mais um ano de vida é a celebração de um desfazer, um tempo que deixou de ser, não mais existe. Fósforo que foi riscado. Nunca mais acenderá. Daí a profunda sabedoria do ritual de soprar as velas em festas de aniversário."

16 comentários:

  1. Foram tantos sopros em uma semana apenas. Lindas palavras aqui tuas e dos nosso amigos ! Linda sexta-feira, tuuudo de bom,bjs praianos,chica

    ResponderExcluir
  2. Texto incrível Tina Flor! Não sabia sobre as velas de aniversário, adorei!
    Quero te desejar nesta sexta dia de branco e dia de feira, muita paz e alegrias no seu dia a dia! Beijos e nutellas!!!
    CamomilaRosa

    ResponderExcluir
  3. Tivemos grandes perdas =/

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  4. eu sempre aprendo alguma coisa quando venho aqui, adoro! É uma pena mesmo, tantos escritores ao mesmo tempo... bom fim de semana

    ResponderExcluir
  5. Tinha me lembrado esta semana que Paulo Coelho dizia que tudo que acontece duas vezes tem grande chance de acontecer a terceira... E não é que foi, assim como foram três aviões que caíram.
    Mas sabe Tina, eu tenho certeza que os três escritores estão lá sentados em volta de uma mesa proseando naturalmente, relembrando os bons tempos...
    Bjs brancos...

    ResponderExcluir
  6. Que adeus lindo vc deu por aqui! Pra todo mundo ler e já compartilhei. Indo contra aquela poesia de Manoel de Barros...Eles passarão....não, eles nunca passarão. Serão eternos passarinhos! bjs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Passam só os que atravancam caminhos. Linda sua rima, mas ir contra Manoel de Barros deve ser pecado...rsrs
      A frase q vc customizou é de Quintana, outro eterno quintal

      Excluir
  7. Lindo texto, infelizmente perdemos em pouco tempo grandes homens, mas as obras ficarão para sempre.
    Bom final de semana, bjs.

    ResponderExcluir
  8. Bela e merecida homenagem...adorei td por aqui.bjins carinhosos

    ResponderExcluir
  9. Passeei pela sua belíssima Ode ao Adeus e como foi bom: tantos textos eu não conhecia, acho que ainda não estava por cá em seu blog.
    Quantos outros adeus de amigos blogueiros que voaram.
    Beijo

    ResponderExcluir
  10. Olá, querida Tina
    Passando para agradecer o carinho dos bons votos pelo meu níver no blog da Anne...
    Li com carinho pois foi tudo muito bem escrito como é o seu natural...
    Cheirinho de poesia numa prosa bem bacana...
    Bjm fraterno de paz e bem

    ResponderExcluir
  11. Linda e merecida homenagem para estas duas pessoas sábias e iluminadas! beijos e boa semana!

    ResponderExcluir
  12. E como dói dizer adeus. Ao ler estes autores muitas vezes eu encontrava o sentido da minha vida, eram palavras que marcavam a minha alma. Ficamos menores, sem sombra de dúvida.

    ResponderExcluir
  13. Com certeza foram levar ainda mais sabedoria lá pra cima...

    Nunca havia pensado por esse lado, mas sempre acreditei que fazer aniversário e apagar a velhinha fosse dessa forma... Vc acredita Tina?

    Beijoooos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acredito Nandinha :)
      E é dessa forma!

      Excluir
  14. As velas apagaram...
    Beijo Lisette.

    ResponderExcluir