24 de agosto de 2014

Alice! Alice!

Eu sou fã de carteirinha, que tem correntinha com xícara e cadeira do chá e acessórios em geral do filme Alice, fã da história como um todo, dos personagens (principalmente do chapeleiro, que interpretado por Johnny Deep, aumentou meu gostar) e dos detalhes cenográficos, filosóficos e poéticos dessa história que é um clássico atemporal.
Nos moldes de hoje de resumir os clássicos seria a história de uma garotinha, que segue um coelho branco hiperativo até um país de fantasia, lá vivem diversas aventuras, conhecem personagens bizarros e no fim ela descobre que tudo foi um sonho. Não me representa esse resuminho infame, resolvi portanto viajar nos detalhes.
Mandar cortar cabeças é com a Rainha de copas, há quem veja nela uma caricatura da Rainha Vitória, outra correlação é com a Rainha Margaret, figurinha carimbada da Guerra das Rosas, esposa de Henrique VI, que disse: “Fora com a coroa, e, com a coroa, a cabeça”, dirigindo-se ao Duque de York e a sua tentativa de dominar a Inglaterra. A rainha do conto não admite que suas flores sejam de outra cor que não vermelho e tem seu nome como referência alegórica a cartas de baralho e um exército deles, pois, seu passatempo é jogar críquete, sendo que nos jogos ela sempre vence, porque todos sempre trapaceiam ao invés de em favor próprio a favor dela, por apreço a própria cabeça no pescoço, em resumo.
Não podia deixar de confabular o porque de o fashion e doce chapeleiro ser chamado de louco. É que em tempos idos, lá quando a obra foi escrita e o seu autor tido como um louco por tanta inventividade, era utilizado mercúrio no processo da confecção das majestosas e imponentes cartolas e chapéus. O cheiro inalado pelos chapeleiros era tóxico e provocava frequentemente, problemas neurológicos. Davam uma pirada os arteiros chapeleiros.
E quem nunca observou ou se perguntou o por que dos números 10/06 que o chapeleiro carrega em um papel na cartola? Se nunca, fica o incentivo a observação. Este é um pormenor que como muitos não aparece por acaso, o par de números é simplesmente o preço da cartola, 10 xelins e 6 péni (a moeda da época).
O sorridente Gato Cheshire, que como o chapeleiro, já teve post aqui, meio que simboliza a consciência de Alice, é um amigo imaginário. Há quem o considere covarde, o lado medrosa da menina talvez. Ele dá recados, dialoga com Alice, some e aparece ao bel prazer para a alegria e gosto por mistérios da garotada. O nome Cheshire é o nome de um condado na Inglaterra e também uma expressão inglesa (há quem diga que por culpa do gato) aplicada a quem sorri largo.
Um dos personagens mais enigmáticos e queridinhos da história é o acelerado coelho, sempre apressado e atrasado. Apegado ao seu relógio ele simboliza o tempo, rígido e exigente e é o responsável pela quebra de Alice com a realidade tal como ela a conhecia, ele seduz a protagonista a entrar no tal buraco e essa cena é fonte de várias reflexões e ilustrações: “Down the rabbit hole”, por exemplo, se tornou uma metáfora utilizada para todos os que arriscam o desconhecido.
Histórias conhecidas nesse dia da semana lúdico que é o domingo, estando eu hoje em em uma pequena grande viagem para mim fantástica (conto depois), com convite a conhecermos sempre mais, a ver filmes, ler livros, viajar no mundo da fantasia e no real, ir de encontro ao desconhecido que nos agrega algo de alguma forma, ao infinito e além, vou aqui ligeira, ligeiro, que o tempo não para tic tac tic tac, amanhã é segunda-feira.

9 comentários:

  1. Linda Alice e que tua viagem seja maravilhosa;;;E será!! bjs, tuuuuuuuuuuuuuuudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Tina, que imagem maravilhosa você escolheu para ilustrar o post!
    Também sou fã dessa história que tem tantos significados psicológicos…
    Mas sabe que nunca tive vontade de assistir o filme do Tim Burton? Acho ele muito sombrio, mas depois do seu post, quem sabe?
    Bjs e ótima semana

    ResponderExcluir
  3. Amanhã é segunda-feira... Como eu gostaria que chegasse um dia no qual isso para mim não tivesse o peso de uma sentença!!! Mas, a parte isso, eu amo Alice, hoje mesmo estava arrumando os meus livros e cruzei com a minha edição, deu até uma alegria na alma sabe?!?! Amo essa história!!! Amo a curiosa Alice, sua jornada pelo "País das Maravilhas" e a forma como Lewis Carroll não substima a capacidade das crianças, o que hoje chamaríamos de pré-adolescentes, de compreenderem suas metaforas.

    ResponderExcluir
  4. Eu nem posso dizer que sou super fã né? o nome de minha filha já me condena hehehe.Amei tudo aqui. Tem novidades no blog

    ResponderExcluir
  5. Tina, que grande texto, menina! Eu tb me encanto com a Alice desde pequena e suas aventuras inspiraram a Menina voadora que escrevi aos 9 anos. Adorei recordar e saber mais do que há por trás dos personagens. bjs e boa semana,

    ResponderExcluir
  6. Que maravilhoso texto! A menina Alice me encanta tal como a história. Adorei a imagem!
    Um feliz viagem.
    Beijos Amara

    ResponderExcluir
  7. Devorei seu texto!
    Também gosto muito de Alice e das histórias por trás da história! Belíssimo texto, parabéns!

    ResponderExcluir
  8. parabéns como você descrever
    sua maneira de vê o mundo de Alice
    também sou fã

    Linda Noite
    beijokas da Nanda

    Mamãe de Duas
    Google+Nanda

    ResponderExcluir
  9. Já estou imaginando a Alice-Tina perdida nesta viagem ao paraíso. Conte tudinho depois,

    ResponderExcluir