13 de junho de 2015

Leitura da vez

A minha leitura da vez como propõe seja compartilhada a Blogagem coletiva proposta aqui e no Blog da minha amiga, escritora, blogueira e amante de feiras, Ana Paula Amaral, sábado passado, é o livro, de capa convidativa: Dia de Feira, da Companhia das Letras, escrito por Julio Bernardo, filho de feirante, chef de cozinha e blogueiro gastronômico pop, crítico e polêmico.
Das histórias paralelas e adjacentes a minha leitura, estão o fato de Bernardo ser o nome do filho da Ana e Júlia ser o nome da filha, adoro essas pequenas bobagens, essa para mim sobrepôs o fato de não ser a essência do livro histórias poéticas, nostalgias e filosofias de Refazenda.
Outra história, é o livro ter sido da Ana, por hora meu. Quando colocou no correio ela me contou que teve vontade de colocar uma carta, ou somente um bilhete com impressões da leitura, histórias dela e nossas ou só um oi, mas não deu, na hora era mandar sem nada ou nada. E ela me disse, em vias de eu estar começando a leitura para ser o livro da vez dividido aqui, fresquinho, uma frase que pensou escrever para mandar junto: “Preferia não saber”.
Eu, cismada que sou, após a leitura do resumo do que trata os tais escritos, decidi pular parágrafos ou capítulos que não me fossem agradáveis. Sim faço isso! Assim como não vejo determinadas cenas de um filme, ou deixo pela metade se não gostar. Também vejo e leio a pulso, varia.
O autor classifica as feiras, como Patrimônio cultural, gastronômico e social e assim penso que são. Ele relata histórias e apresenta cenários que vão das verduras e peixaria aos causos, gracejos, mazelas, feirantes, passantes, clientela, personagens que compõem esse espaço múltiplo que é de comércio, de vida, de relações, com pessoas comuns, honestas e nem tanto, boas e más.
Não consegui tirar uma foto e nem achei uma ilustração para fazer valer meu bem-querer sobre o tema da minha leitura da vez, sobre o qual resenhei aqui recentemente. Sugiro a busca de outros títulos, quem sabe eu não escreva um livro sobre feiras um dia e esse postagem coletiva seja referência, o nome pode ser Sábado-feira, os posts ao sol e chuva por ai, porque todo dia é dia de feira, todo cesto de vime, toda verdura fresquinha, caldo de cana com pastel para quem é brasileiro, quinquilharias em feiras de por aqui e por ai, além das tristezas, todas as alegria, sacolas de náilon e toda poesia. Tema da BC para sábado que vem: comida.

19 comentários:

  1. Também gosto de feiras, principalmente de velharias e artesanato, corro todas à procura de peças para a minha coleção de presépios e Meninos Jesus. Esse livro deve ser bem interessante, e ainda tem a curiosidade dos nomes coincidirem com os filhos da Ana :)
    Beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Interessante como sendo um olhar diferente e com histórias de bastidores não muito saborosas eu diria, sendo sutil

      Adorei saber da sua coleção
      Presépios e meu pai são uma dupla de muitas histórias e lindezas
      Vou esticar esse papo com vc por email

      Excluir
  2. Feiras são bem legais e sempre encontramos um pouco do que queremos e do que nem imaginamos encontrar nelas.Acho divertido e o livro assim deve ser! beijos, tudo de bom,lindo fds com muitas cores e varais,chica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Médio de divertido
      Ah que me deu vontade de bater perna numa feira de Poa com vc e o Neno

      Excluir
  3. Oi Tina, que leitura interessante! Também adoro feiras. Vou procurar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  4. Oi Tina, eu gosto bastante de feiras.
    Primeiro, pelo menos aqui em Caçapava assim é, por ser ao ar livre.
    Segundo por encontrar pessoas que muitas vezes passo bom tempo sem ver.
    Depois é que o barulho dela é ímpar...fala-se de tudo e ouve-se de tudo também....rs
    Esse livro deve ser legal, gostei.
    Beijos de um bom final de semana.

    Minha participação:

    http://majoli-rabiscosdaalma.blogspot.com.br/2015/06/a-leitura-da-vez.html

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tb adoro a falação e pelos comentários, além do seu, até aqui, acho que no meu texto não ficou claro que eu não achei legal não

      Excluir
  5. Tina, adorei a ideia da blogagem coletiva leitura da vez :) Fiz meu post com um romance bem lindinho em homenagem ao dia dos namorados. Eu já tinha visto sobre este livro Dias de Feira em outro blog e tinha ficado curiosa, você despertou ainda mais minha curiosidade.

    Beijocas

    www.vidabonita.com.br

    ResponderExcluir
  6. Olá, querida Tina
    Sobre as feiras, gosto das de cidades do interior... com produtos orgânicos... mas não dispenso o pastel de queino, rs...
    Quanto ao livro, se vc desindicou... rs...
    Esto gostando do que ando lendo na sua blogagem... bom trocar figurinhas e fazer parte do seu varal...
    Bjm fraterno e até julho se Deus quiser!

    ResponderExcluir
  7. Gosto da bagunça das feiras livres, como trabalho no centro comercial do meu bairro vez em sempre me pego no meio de uma feira, sentindo a bagunça, os bons e maus odores, negociando, ganhando e perdendo na negociação... Sei lá, tem um que magico nas feiras mesmo. Gostei de conhecer a sua história com o livro... e um pouco dele também.

    ResponderExcluir
  8. Adoro feiras! Confesso que onde moro não tem uma boa, mas quando posso aproveito. Pastel com caldo de cana então... Hum! Queria ser desprendida assim como vc, pular páginas, cenas ou abandonar algo que não está gostando. Quando começo vou até o fim, mesmo que seja passando raiva. Ó céus!
    Beijo

    ResponderExcluir
  9. Oi, Tina!
    Ainda tenho em minha memória a primeira vez que fui em uma feira. De lá pra cá foram feiras em cidades diferentes e agora na cidade onde moro, só tem feira no domingo e esse é um dia em que não tenho hora para acordar... Fiquei curiosa com as histórias erradas do livro. Ana Paula não tem jeito!
    :)
    Beijus,

    ResponderExcluir
  10. Li por aí que o seu pendurar era na verdade uma desindicação do livro! Adorei!
    É, como disse, preferia não saber de muitas coisas, mas, mesmo assim, sigo com o brilho das feiras e sua alegria latente!
    Foi muito legal ver o varal todo colorido e ele foi além mares! Vou desejar mais varais e que uma próxima leitura da vez seja cem por cento recomendada!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  11. Tina querida
    Adoro seus posts! E adorei participar desta BC, mesmo que atrasada, mas aqui estou :)
    Bjks mil

    http://www.blogdaclauo.com/2015/06/leitura-da-vez-blogagem-coletiva.html

    ResponderExcluir
  12. Tina, estou passando rapidinho aqui (meu bus para o cursinho está para chegar) apenas para dizer que te adorei! E pelo visto com certeza vou adorar teu blog. Logo mais chego para uma visitinha mais tranquila e dar meus pitacos por aqui.
    Beijos querida.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada e sinta-se a vontade para pitacos

      Excluir
  13. Oi Tina, agora pude ver com mais calma.
    Adorei o jeito que descreveu o livro e deu vontade de ler. Gosto de ler sobre coisas do cotidiano. Não que não curta fantasias, dragões e todas essas coisas, no entanto, chega uma hora que a gente quer apenas desopilar um pouco do mundo fictício e curtir o real.
    Hahahahaha, foi master a provocação que a Ana fez contigo e muito legal haver isso de presentear livro entre vocês. Para mim é o melhor presente.
    Ah, tem livros que são bem chatinhos mesmo, mas não sou de pular, sou de dar uma chance ao autor, com exceção de 50 tons de cinza que não consegui mesmo ler, achei de uma afronta horrenda à minha inteligência (desculpa aí se tu curte!).
    Beijos e boa quarta!

    Rivotril com Coca-Cola

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fique a vontade para falar mal do cinzento
      Fiz posts e comentários diversos de desindicação

      Excluir
  14. Tina espero um dia poder conversar com vc sobre Amor aí na sua terra natal!

    ResponderExcluir